sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Quero

Eu só queria acordar e ter um sol brilhando ao lado esperando o meu despertar noturno
Eu só queria acordar e receber uma ligação sobre um emprego de mil reais de segunda a sexta com cesta básica
Eu só queria acordar e ter um sonho antigo correndo pelo quintal e latindo para os outros
Eu só queria acordar e assistir Deus passando num programa de TV a cabo sem ser payperview
Eu só queria acordar e não ver nenhum fanático matando nuvens pelo céu
Eu só queria acordar falando inglês fluentemente pra poder assistir a volta do messias sem legendas e entender suas piadas
Eu só queria acordar e freqüentar um comando organizado para estudar gramática e aprender as normas do jogo dos trapaceiros
Eu só queria acordar e não precisar rezar absolutamente nada no caixa do banco depois de uma fila de vinte fiéis
Eu só queria acordar e imprimir os acordes que não saem da minha cabeça pra tocar no violão pras moscas
Eu só queria acordar e ver que alguém realmente descobriu o Brasil numa manhã de sábado de pouca roupa e muito ouro
Eu só queria acordar e ouvir no radio sobre uma nova descoberta de vida em outro planeta que saiba como nos salvar deste
Eu só queria acordar e ter a sombra da liberdade que realmente estendeu as asas sobre nós e esta voando num novo caminho
Eu só queria acordar e ir pra biblioteca mais próxima e não ter nada que me impeça de levar Rimbaud pra ler no sofá de casa
Eu só queria acordar e começar a contagem dos meus diplomas durante a manhã inteira me perder e recontar
Eu só queria acordar e arrancar do calendário a folha que termina com a era do impossível
Eu só queria acordar e ouvir os vizinhos conversando sobre atentados no vaticano que não deixaram igrejas sobre pedras
Eu só queria acordar e esperar os peixes morderem a isca antes de ser lançada enquanto ainda esta nos meus pensamentos
Eu só queria acordar com os gritos de alegria dos tocadores de gaita da rua com um aumento endollarado na aposentadoria
Eu só queria acordar e ler e-mails prestigiando meu trabalho invisível de desconhecidos com nome e sobrenome
Eu só queria acordar e ir almoçar na praça num almoço sagrado realizado pelos moradores do bairro para todos os moradores do bairro
Eu só queria acordar e dar de cara com uma pilha de livros do Leminski com um bilhete - para você de Alice Ruiz
Eu só queria acordar com meu guarda chuva numa tempestade de primavera glacial que não foi dada na previsão do tempo dos telejornais
Eu só queria acordar ao som da campainha na hora da entrega de um premio qualquer por qualquer coisa que eu tenha feito num dia sem nada o que fazer
Eu só queria acordar abrir o Word e digitar com dedos de arte e delírio um livro inédito de um autor desconhecido
Eu só queria acordar pegar minha esperança e trocar na feira por dois quilos de tomates
Eu só queria acordar e confundir o mundo real com a realeza depois de ter por perto uma coroa que não seja de espinhos
Eu só queria acordar e ler as noticias de quebra cabeças e não desanimar com o que andam amontoando por ai
Eu só queria acordar e ter meus planos escritos nas paredes do quarto com rabiscos de foram realizados
Eu só queria acordar andar na avenida dos sapatos perdidos e dar esmola ao primeiro sábio de farrapos sujos e barba que eu encontrar dizendo – Eu posso ser você ao acordar
Agora
Vou dormir

3 comentários:

  1. Uaaaaaaaaaaau. Adoreeeei. Muito bom, Lucas!

    ResponderExcluir
  2. Eu gostei.

    Durma, quem sabe quando acordar vc tenha uma dessas coisas.

    ResponderExcluir
  3. sonhar é preciso,
    viver não é preciso

    (nos dois sentidos)

    ResponderExcluir